Blog

Acompanhe muito mais da Radiograf em nosso blog

Nos primeiros anos de faculdade, as vestimentas para dentista seguem um código restrito: tudo branco. Jaleco, sapatos, camisas e até cintos devem ser da cor. A justificativa é a higiene, afinal fica mais fácil perceber se há alguma sujidade. Mas depois de formado, essa suposta obrigação não é tão obrigatória como parecia.

Independentemente do seu estilo, é importante enxergar as roupas de trabalho como um uniforme. Portanto, elas precisam passar profissionalismo. Se você está no início de carreira e quer saber como se apresentar aos pacientes, este é o seu post. Continue a leitura e entenda mais sobre vestimentas para dentistas!

A odontologia para pessoas com necessidades especiais surge para atender a esse público da forma mais conveniente e permitir que tenham acesso ao melhor atendimento possível por parte dos profissionais de odontologia.

Para pessoas com necessidades especiais, o mais indicado é uma abordagem diferenciada nos tratamentos odontológicos.

Isso é importante para o manejo correto dos casos, de acordo com a técnica odontológica e o conhecimento das doenças, ou das condicionantes de saúde, apresentadas pelo paciente.

Vale lembrar que alguns grupos de pessoas com necessidades especiais podem ser mais suscetíveis a doenças bucais, que são causados por diferentes motivos, desde dificuldades motoras para realizar a higiene oral, até doenças que comprometam o sistema imunológico, facilitando o aparecimento de doenças oportunistas na cavidade oral.

Então, acompanhe este conteúdo até o fim para eliminar suas principais dúvidas sobre atendimento de odontologia para pessoas com necessidades especiais.

Para os dentistas, saber como fazer um diagnóstico radiográfico de cáries é algo bem necessário. Afinal, essa é uma das doenças mais comuns e uma das principais queixas realizadas no consultório odontológico.

A radiografia é uma das principais formas de diagnosticar cáries, principalmente quando elas ainda são precoces e pouco aparentes. Vale lembrar que, quanto antes o problema for diagnosticado, mais fácil é o tratamento para o paciente.

Continue a leitura para saber mais sobre o diagnóstico radiográfico de cáries e como realizá-lo, passo a passo.

O processo de osseointegração ainda gera muitas dúvidas entre os pacientes em consultórios odontológicos. Principalmente porque muitos não conhecem esse procedimento. Mas saiba que ele está relacionado aos implantes dentários.

A osseointegração é fundamental para que o implante dentário tenha resultados satisfatórios. Trata-se da união entre o osso do dente e uma superfície de titânio, incorporada a ele.

Assim, o paciente pode viver normalmente com esse dispositivo bucal, como se fosse um dente natural. Isso é possível porque o pino de titânio tem uma biocompatibilidade, ficando incorporado ao osso de maneira natural.

Esse procedimento é muito recomendado pelos dentistas, devido à sua eficácia no tratamento dental dos pacientes.

Mas por muitas pessoas ainda terem dúvidas sobre a osseointegração, preparamos este conteúdo para explicar mais detalhes sobre esse tratamento. Confira!

Em um cenário cada vez mais tecnológico e digital, a Radiograf - Radiologia Digital e Tomografia Cone Beam se consolida como parceira do cirurgião-dentista na realização de exames odontológicos, com tecnologias atuais e acessíveis, sendo referência em radiologia, diagnóstico por imagem e planejamentos digitais.

Incorporando equipamentos e softwares modernos e atualizados, a odontologia digital faz parte da nossa rotina e está a sua disposição e de seu paciente. Os exames digitais ampliaram a qualidade das imagens, facilitando o diagnóstico e o acesso a elas. Os exames digitais podem incluir desde radiografias periapicais, interproximais, panorâmicas a exames como tomografias, documentação ortodôntica digital, escaneamento intraoral e planejamento digital. Todos estes exames podem ser enviados digitalmente via e-mail, impressos ou acessados diretamente no nosso site, conforme preferência do profissional solicitante.

É notório que certos desconfortos no corpo humano comprometem a qualidade de vida de muitos indivíduos. Nesse sentido, é preciso destacar duas condições que afetam diretamente a estética facial e que, por sua vez, são distúrbios ligados à ortodontia, sendo elas prognatismo e retrognatismo.

Elas podem gerar sérias complicações na mastigação e na respiração do paciente. Por conta da baixa autoestima causada pela assimetria facial provocada por essas condições, o indivíduo pode até mesmo desenvolver um quadro de depressão.

Se você quer entender a diferença entre esses dois conceitos, prossiga na leitura deste conteúdo e saiba mais sobre o assunto. Acompanhe!

A giroversão dentária é uma anomalia que, vire e mexe, aparece entre os pacientes de consultórios odontológicos. Por isso, é importante que os dentistas aprofundem os seus conhecimentos acerca do tema.

O mesmo vale para os pacientes, que devem conhecer sobre o problema, para aprender a identificá-lo e buscar a ajuda de um cirurgião dentista, se julgar necessário.

Para que você saiba mais sobre o assunto, preparamos este artigo com tudo o que é necessário saber sobre a giroversão dentária. Prossiga com a leitura e esclareça as suas dúvidas!

O levantamento de seio maxilar é uma técnica cirúrgica reconstrutiva que visa aumentar a quantidade e a qualidade óssea da região posterior da maxila edêntula, com o objetivo de instalar implantes e realizar uma reabilitação protética fixa.

Portanto, devolver a mastigação posterior, restabelecer a dimensão vertical de oclusão, proteger os outros dentes de traumas mastigatórios e melhorar como um todo a qualidade de vida do paciente estão entre os principais intuitos finais dessa cirurgia.

Ao analisar uma radiografia panorâmica que mostra falta de dentes na região posterior superior, os olhos do Implantodontista já estão treinados para perceber onde se encontra o assoalho do seio maxilar. Contudo, pode-se melhor observar e medir por meio de uma tomografia computadorizada.

O Tumor odontogênico adenomatoide (TOA) é uma lesão benigna, incomum, de origem epitelial, de comportamento não agressivo e crescimento lento, com frequência relativa variando entre 2 e 7% de todos os tumores odontogênicos. Embora esta lesão tenha sido anteriormente considerada uma variante do ameloblastoma e foi designada como “adenoameloblastoma”, suas características clínicas e comportamento biológico indicam que é uma entidade separada. Algumas autoridades acham que, dado o crescimento lento e circunscrição da lesão, é melhor classificada como um hamartoma em vez de uma neoplasia verdadeira.

Sua etiologia é incerta, entretanto se acredita que seja oriunda do órgão do esmalte, lâmina dentária, epitélio reduzido do esmalte, bainha epitelial de Hertwig e seus remanescentes.

Clinicamente, a lesão é caracterizada por um aumento de volume, de crescimento lento e progressivo, podendo haver ou não a presença de sintoma.

Os tumores odontogênicos adenomatóides são amplamente limitados a pacientes mais jovens e dois terços de todos os casos são diagnosticados quando os pacientes têm de 10 a 19 anos.

Acomete principalmente a região anterior da maxila e geralmente é descoberto em exame radiográfico de rotina como uma lesão radiolúcida unilocular envolvendo a coroa de um dente canino incluso.